segunda-feira, 18 de junho de 2012

Euro 2012: dia 10.



Aí aos cinco minutos de jogo, reparo no De Jong isolado no meio campo, rodeado de portugueses, com quatro gajos atrás e cinco bem lá à frente, quase para lá da linha de fundo. Foi nessa altura que fechei os olhos e pensei: "com estes desejos tácticos suicidários, até o Cimino de gloss, cinta de ligas e plumas arrasaria com esta laranja apodrecida.". Se juntarmos a este esquema 2-1-17, na tradição da velha escola Húngara dos cinquentas, uma preguiça indescritível dos jogadores holandeses (Robben: Corram bois, e passem-me a bola, para eu delinear a única jogada que sei delinear, sou tão atrasadinho mental!), com um pressing e posicionamento digno de distritais, e ainda uma atroz mediocridade de todos os defesas (se a inexperiência do Willems ainda se desculpa, já o Van der Wiel deve ser das porcariazinhas futebolisticas mais sobreavaliadas no continente europeu), fica composto o caldinho para esta equipa ser destroçada pelo "melhor jogador do mundo" e suas criadas. O resultado justo seria Holanda- 1 "O melhor jogador do mundo" & co-pilotos- 10.

No Sábado, disputou-se o Germany vs Denmark entre actrizes porno dos dois países. Desconheço o resultado, mas será das coisas lógicas que a Alemanha terá vencido, fortalecida pela robusta escola GGG de Munique, onde pontificavam talentos como Betty, Annete Schwartz, Viviane, Melanie Moon, Jasmine, Magdalene e demais pérolas, todas bem orientadas pelo mister John Tompson, cioso zelador de uma disciplina férrea de caldos de meita pelas suas bonitas faccias. Quanto ás dinamarquesas, tenho de investigar os seus méritos. Decerto que haverá uma versão porno do Ordet, em que no final a mulher ressuscita e começa logo a dar à língua gulosa no pastor alucinado. Pior que os recentes porno do Von Trier não será.