segunda-feira, 2 de julho de 2012

Euro 2012: dia de acabar com isto e de voltar aos filmes (salvo seja).



A raiva que esta selecção espanhola desperta em muitas mentes é mais do que compreensível. Se do ponto de vista "racional" não há como atacar esta equipa, pois faz tudo muitíssimo bem, há que enveredar, então, pelas emoções mais viscerais e fundamentais ao normal equilíbrio de um ser humano, não vá ele rebentar de recalcamentos. E daí a mitologia da raposa e das uvas e de demais delírios narrativos, com árbitros "amigos da Unicef", "esta corja só lá vai a roubar", "Portugal merecia passar à final", " o Passos Coelho não é um filho da puta", etc, um precioso conjunto de fábulas e negações. Para esta fúria também não ajuda a estatura média dos jogadores espanhóis e de, à excepção do Alonso, nenhum deles ter força para chutar de fora da área; só dá vontade de os moer com pancada e depois atirá-los aos cães. Lá está, há que atacar estas  mulas "aborrecidas" com toda a artilharia não-argumentativa e puramente epidérmica. Não faz mal nenhum, não tem consequências, e faz bem libertar o Balotelli que há em cada um de nós. 

Casillas; Ramos, Hummels, Lahm; Busquets, De Rossi, Pirlo, Silva; Iniesta, Ozil, Fabregas.

Buffon; Pepe, Bonucci, Coentrão; Moutinho, Xavi, Marchisio, Montolivo; "melhor jogador do mundo", Cassano, Torres. 

os cinco piores jogadores do Euro:

Chalkias, Robben, Milner, Carrol, e todos da selecção irlandesa. 

jogadores mais bêbados do Euro:

Milner, Milner, Milner, Milner e Milner. 

actrizes por...público feminino mais atraente no Euro:

as alemãs.